segunda-feira, 7 de julho de 2008

"Dot The I": DROPKICK!

A máxima punk do “faça-você-mesmo” não só se aplica ao Dropkick, como é levada às últimas conseqüências. O quarteto escocês liderado pelos irmãos Taylor – completado por um primo e por outro Taylor não-aparentado – controla todo o processo envolvido na sua música: composição, gravação, produção, mixagem, divulgação, venda direta. Publicam seus álbuns pala própria Taylored Records, que cuida exclusivamente do Dropkick. É o conceito de independência em sua essência pura.

Foi isso que permitiu que o grupo lançasse, em menos de um ano, dois álbuns e um EP (fora o bônus-disc de Turning Circles). Em Dot The I, o Dropkick mantém a mescla perfeita entre o power pop contemporâneo e as raízes do alt. country. Algo como o Teenage Fanclub executando canções do Jayhawks. Ou, às vezes, um passeio exclusivo por cada dessas vertentes.

Como na canção título que abre o álbum, com seu vocal macio, baixo distorcido e a proficiência pop escocesa impressa no DNA. Harmonizações vocais emolduram a melodia de leve entonação country em “Figure It Out” e guitarras apertam o ritmo sem perder a ternura em “Backdoor Key”. “Open Door”, “You Didn’t Make It” e “Rings Of The Tree” lembram a perfeição pop do também escocês Primary 5, e que lá no fundo repousa a herança magnética do Big Star.

O brilho californiano ilumina as guitarras de “If You Cant’t Be Mine” e o refrão memorável de “Walk Down”, até a levada do empolgante alt. country “Crazy Conversation”. A climática “Girlfriend” adensa o clima, e a inspirada “You”, amansa. Encerra o disco a bela e luminosa “Good Vibes”, provando que os ares da independência fazem um bem danado ao som do Dropkick.

www.dropkickmusic.co.uk
www.myspace.com/dropkickmusic
www.tayloredrecords.co.uk

4 comentários:

Reinaldo disse...

Antes de tudo, parabéns pelo blog! Já passei por aqui algumas vezes e, cometi o "sacrilégio" de não ter deixado um comentário! Foi mal!
Muito bom Dropkick! Faz uns 2/3 meses que baixei esse álbum e mais uns extras no site da banda, versões acústicas etc. Som suave, pra se ouvir a qualquer momento! Ótima dica!
Abraço...
PS: Dá um toque aí quando sair o novo do Primary 5! hehehehe...

Paolo Miléa disse...

Valeu Reinaldo! Fico feliz que goste do blog. Qto ao Dropkick, os caras não sossegam: já preparam outro disco.
Qto ao Primary 5, entre julho e agosto o álbum novo tá rodando.

Abs!

dbareas disse...

Muuuuuito bom...mais uma banda escocesa que faz (e faz muito bem) um som genuinamente americano...é interessante isso. Bom para esperar os próximos do Teenage Fanclub e Primary 5. Queria muito tbm ouvir os discos anteriores deles.

Vc certamente viu, tua resenha do disco está citada no site deles...

Paolo Miléa disse...

O disco anterior Turning Circles está resenhado aqui alguns meses pra trás.

Não, não tinha visto a citação... valeu!